Couves bruxelas

Eu sei, eu sei. Mas antes de torcerem o nariz, dêem-me uma oportunidade. Até porque vocês é que escolheram. Quando perguntei no Instagram se queriam uma receita de Outono ou uma sobremesa esta semana, o Outono ganhou por uma grande margem. E como as couves estão em alta nesta época, não podia deixar passar a oportunidade.

Muita gente tem a mesma reacção quando falo em couves Bruxelas. Há pessoas que adoram e outras que odeiam. Acho que o principal problema é que nunca são confeccionadas da melhor forma. Dentro do leque das couves são capazes de ser as mais difíceis. Mas eu tenho um truque. Por isso, não se vão já embora! Deixem-me contar-vos umas coisas.

    

Foi quando me mudei para Berlim que comecei a experimentar cozinhá-las. E parece que há uma razão para isso. Elas são bastante mais populares no Norte da Europa, sobretudo na Bélgica, daí o seu nome – couves de Bruxelas. Foi mesmo em Bruxelas que começaram a ser cultivadas, há muitos anos atrás.

Por isso, actualmente, os maiores produtos de couves Bruxelas estão no Norte da Europa – Holanda, Alemanha. Aqui em Portugal nem sempre encontramos à venda. Pelo menos não com grande abundância.

Quando chegam até a nós, cada couve já está separada. Mas elas crescem de uma forma muito engraçada, ao longo de um grande talo.

Brussels sprouts are a cultivated variety of cabbage. The heads grow close together on the stem.
Source: Nicholson, George The Illustrated Dictionary of Gardening, Div. VI (London, England: L. Upcott Gill, 1884)

E se até agora ainda não vos despertei a curiosidade, deixem-me dizer-vos isto. Esta couves, semelhantes a outros vegetais crucíferos, são uma boa fonte de Ferro, Magnésio e Fósforo. Mas onde elas brilham é mesmo na grande quantidade de Fibra, Vitamina A, Vitamina C, Vitamina K, Tiamina, Vitamina B6, Folato, Potássio e Mangnésio. É incrível. Querem melhor cura para constipações que esta?

Então vá, vamos meter mãos à obra. Prometo que esta receita é fácil!

Ingredientes para duas pessoas:

  • 300g couves Bruxelas (com o pé cortado e folhas que estejam danificadas, se for o caso);
  • 1-2 colheres de azeite
  • 1 colher de chá de sal
  • pimenta q.b.

Para o molho:

  • 1 colher de sopa de mostarda em grão
  • 1 colher de sopa de manteiga de cajú (ou podem substituir por maionese vegetal)
  • 1 colher de sopa de azeite (eu usei azeite com alho, nham)
  • 1 colher de chá de vinagre de sidra
  • 1 colher de chá de xarope de ácer (opcional – só se acharem o sabor a mostarda muito forte)
  • 3-4 colheres de sopa de água
  • sal e pimenta q.b. (umas quantas pitadas, a gosto)

Para acompanhar:

  • cevada
  • 1 maça cortada em juliana
  • cranberries (uma mão cheia)
  • pinhão torrado q.b.

Instruções:

  1. Comece por cortar o “fim” de cada couve, a parte mais dura, e as folhas de fora que estiverem danificadas. Lave bem e seque com um pano.

  2. Agora num processador de alimentos ou mandolina, corte as couves Bruxelas até ficarem muito finas. Eu usei a lâmina do processador que serve para cortar batatas em lascas, com 1.2mm de largura. Se tiver alguma coisa parecida, é o ideal.

  3. Acenda um wok com uma colher de azeite. Deixe aquecer e em seguida coloque as couves já cortadas. Se as couves lhe parecerem muito secas, acrescente mais azeite.

  4. Tempere com sal e pimenta e deixe saltear por 8-10 minutos, até estarem tenras e com algumas partes ligeiramente douradas. Vá mexendo com alguma frequência, para não queimarem.

  5. Enquanto as couves estão a saltear, vamos preparar o molho e restantes acompanhamentos.

  6. Junte todos os ingredientes para o molho numa pequena taça e com uma vara de arames (ou colher), mexa muito bem, até combinar todos os ingredientes e obter um molho cremoso. Se quiser que fique mais doce, acrescente o xarope. Se estiver muito espesso, acrescente mais água.

  7. Depois de preparar o molho, corte uma maçã em juliana e torre uns quantos pinhões. Não é preciso muito. Ponha também de parte as cranberries.

  8. Quando as couves estiverem prontas, retire do wok e junte a maça e cranberries.

  9. Agora, se quiser, pode acompanhar as couves com cevada. O seu sabor a noz combina muito bem com as couves. Eu usei esta versão, que já está descascada e pré-cozida. Cozinha num instante e fica cremosa, como uma espécie de bulgur.

  10. Antes de servir, regue as couves com o molho, ou se quiser, pode mesmo incorporá-lo na salada. Acrescente alguns pinhões torrados por cima e sirva numa cama de cevada.

E pronto, já está. Digam-me se mudaram ou não a vossa opinião em relação às couves 🙂

Relembro também que o meu próximo workshop é dia 4 de Novembro, na Bioespiga. Mais informações no facebook.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *